Vereadores discutem segurança pública

por Eduardo Maia — publicado 08/02/2017 22h00, última modificação 09/08/2017 10h27
O tema segurança pautou mais uma vez as discussões da reunião plenária da Câmara Municipal de Entre Rios de Minas
Vereadores discutem segurança pública

Debate reuniu representantes da PM e dos bancos

O tema segurança pautou mais uma vez as discussões da reunião plenária da Câmara Municipal de Entre Rios de Minas, realizada na última terça-feira (7). Após um convite feito pela mesa diretora à Polícia Militar e às gerências dos bancos do Brasil e Itaú, debateu-se a situação da violência no município tendo em vista os arrombamentos recentes à agência localizada na Avenida Benedito Valadares.

A partir da solicitação do vereador Antônio Bituri, a PM foi convidada a esclarecer sobre o atendimento à ocorrência dos arrombamentos do Banco do Brasil. 

A tenente Cássia Cristina de Souza Chagas explicou que a corporação passa por sérios problemas de efetivo reduzido em todo o Estado, o que implica em prejuízos para a cidade. Na situação do arrombamento, ela destacou a questão da supremacia de força, ou seja, da impossibilidade de apenas dois militares em confrontar uma quadrilha especializada em roubos a caixas de banco.

A policial ressaltou, no entanto, que, ao ser chamada, a Polícia Militar acionou imediatamente o reforço por parte do policiamento de cidades vizinhas, a fim de coibir a ação dos criminosos. 

O presidente Franklin William destacou que há outras reclamações em relação a tempo de atendimento às ocorrências, as quais segundo ele ultrapassam 30 minutos. Ele ainda questionou à PM sobre a situação recorrente de aglomeração de pessoas ao lado da Igreja Matriz durante a noite, com notícias sobre práticas ilícitas no local.

A tenente explicou novamente que a questão do efetivo é um fator que pesa para que a ação da PM possa ser completa. Ela ressaltou ainda que a PM tem feito o ponto base no local e aplicado multa em donos de veículos em razão do som alto. No entanto, destacou o desrespeito por parte dos frequentadores do local com o trabalho da polícia, além da necessidade de envolvimento de outras autoridades no caso, como a Prefeitura, o Ministério Público e o Conselho Tutelar, diante da presença de menores de idade. O vereador Daniel Vieira se prontificou a acionar o MP para intervir na questão.

Entre as propostas considerada se cabíveis para solucionar o problema, mencionou-se a possibilidade de cercamento do lote na Rua Comendador Pena, além da fiscalização dos alvarás dos estabelecimentos que funcionam no local e a criação de um projeto de lei que delimite horários para que a emissão de sons possa ocorrer. O cabo Paulo Vanzelloti também sugeriu a implantação de câmeras de vigilância em pontos estratégicos da cidade, projeto que pode ser desenvolvido pelo município para facilitar a ação dos órgãos de segurança.

Nova agência do BB será na Praça Senador Ribeiro

Convidado pela segunda vez a prestar esclarecimentos sobre a situação da agência fechada na cidade após o segundo arrombamento, o Banco do Brasil enviou o superintendente José Alexandre Lopes à reunião.

Ele explicou que o Banco do Brasil decidiu por permanecer e investir em Entre Rios com a instalação de uma nova agência na Praça Senador Ribeiro, ao lado da lotérica, no prazo de dois a três meses. 

Além disso, explicou aos vereadores Franklin William e Karina Vasconcelos sobre a cobrança de uma taxa aos clientes para o saque do dinheiro nas loterias da Caixa, tratando-se de um convênio. Ele se dispôs a buscar uma solução para a extinção desta taxa, diante da falta de uma agência do BB na cidade.

Já a gerente do Banco Itaú, Janice Augusta Teixeira Souza Lima, explicou sobre a estrutura da agência na cidade, justificando a inoperância de caixas eletrônicos no final de semana por problemas de pique de energia. Já em relação à quantidade de caixas de atendimento, ela disse que se trata de uma questão de competência de seus superiores e que, portanto, não poderia responder.

error while rendering plone.comments